Quando o design de interiores fica virtual com o Skype

Recentemente fomos ao encontro de Allison Harlow, fundadora do estúdio CURIO Design, um revolucionário serviço de design de interiores que opera 100% online com a ajuda das chamadas de vídeo do Skype. Percebendo que seus mercados-alvo estavam mudando suas abordagens de uso dos designers de interiores, Allison desenvolveu uma maneira inovadora de oferecer estilo e estética para clientes em escala global. Fundada sob a premissa de que ótimo design pode ser acessível e econômico para todos, independentemente de localização ou de orçamento. Fomos descobrir um pouco mais sobre como ela usa o Skype em seu negócio:

“Depois de me formar, trabalhei em alguns empregos diferentes, incluindo design de móveis, design residencial de alto padrão e uma empresa comercial em Michigan. Em algum momento, meu marido (na época namorado) decidiu que iria morar na Noruega por um ano, perguntou se eu queria ir junto. É claro que eu aproveitei a oportunidade, e foi assim que nasceu minha empresa de design virtual.”

1

Usar as chamadas de vídeo do Skype para ajusar seus clientes a alcançarem a decoração dos sonhos é uma maneira que a Allison usou para alcançar um público bem maior:

“Quando comecei, em 2012, era um conceito bem diferente. Hoje já existem mais empresas se adaptando a esse modelo, seja completamente virtual ou oferecendo alguns partes do seu produto como um conceito virtual. Acredito que seja uma ótima maneira de deixar o design mais acessível para um grupo maior de pessoas.”

2

Como muitas pessoas, a Allison descobriu o Skype primeiro como uma forma de manter contato com a família à distância:

“Minha irmã mora em outro país há 10 anos, então eu usava o Skype quase todo dia para manter contato com ela e com as minhas sobrinhas. Quando me mudei para fora do país, começamos a fazer chamadas de vídeo em grupo para reunir a família em feriados como Natal ou Ação de Graças.”

Usar o Skype em sua empresa tem muito em comum com as conversas com amigos e a família. A Alisson explica que essa familiaridade ajuda ela a estabelecer um ambiente confortável para trocar ideias com o público leigo em design interior, e se comunicar sobre o projeto desde o início até o final:

“Cada projeto começa com um papo inicial de 15 minutos. Eu gosto de fazer isso pelo Skype, se possível. Durante essa conversa, o cliente e eu nos conhecemos, conversamos sobre o escopo do projeto, e o cliente me mostra o espaço, mencionando áreas problemáticas se possível. Também usamos essa conversa cara a cara para conversar sobre o processo de forma geral e para tirar dúvidas sobre o design virtual de interiores.”

Para não deixar a peteca cair, Allison usa o Skype no decorrer do processo criativo:

“Depois disso, o cliente me envia o seu questionário de design, as medidas e algumas fotos do espaço. Eu pego tudo isso e começo a trabalhar em um plano de design. Às vezes, durante essa fase, fazemos outra conversa pelo Skype para repassar quaisquer informações ou dúvidas.”

3

Como a Allison viaja muito, ficamos felizes de saber que o Skype permite que ela leve o trabalho para onde estiver:

“Desde que eu tenha o meu laptop, posso trabalhar em qualquer lugar. Já trabalhei enquanto estava nos Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Kazaquistão, Japão, Noruega, Dinamarca, Polônia… a lista vai longe.”

E como fica a coisa de “ver” uma propriedade quando você nem sequer está no mesmo país? A Allison conta que os clientes compartilham uma combinação de fotos tiradas em ângulos diferentes, assim como detalhes sobre os seus gostos e estilos pessoais:

“Alguém que te fala que gosta de usar uma bolsa Chanel clássica ou argolas prateadas simples vai ter uma preferência bem diferente no seu design de interiores do que alguém que diz usar diversos braceletes coloridos e cachecóis com estampa.”

Dona de um estilo mais eclético, Allison adora móveis vintage e da metade do século, que ela mistura com tapetes Persas.

“Tendo a gravitar mais ao redor de cores escuras e saturadas, como azul-marinho, preto, branco e dourado. Mas não é todo mundo que gosta disso. Meu objetivo principal quando trabalho em um espaço é que ele se torne uma representação do cliente — mas sempre com um toque meu.”

O uso que Allison faz do Skype ajudou ela a não só expandir sua possível base de clientes, como também trabalhar de modo flexível e adaptável ao seu estilo de vida:

“Acho que é extremamente útil, no meu trabalho, desenvolver uma conexão pessoal com os clientes. Eles estão confiando em mim para gastar o dinheiro deles e criar um espaço que será um lar, um lugar para criar suas famílias e onde eles querem ser felizes e estarem confortáveis. O Skype me permite criar essa conexão à distância.”

Se você tem ou conhece uma história envolvendo o Skype, compartilhe nas redes sociais usando a hashtag #Skype! Nós poderemos entrar em contato para publicá-la neste blog!